11 de ago de 2011

Freemont mostra o verdadeiro lado adventure da Fiat?


Não é segredo para ninguém que a Fiat sempre tentou se "aventurar" (de verdade) vendendo SUVs e picapes médias. De fato, isso nunca aconteceu. Talvez, o mais próximo seja o Sedici, feito em parceria com a Suzuki, é vendido como um jipinho, mas na verdade é o hatch SX4.


Quando a Fiat anunciou um acordo com a Chrysler, todos, com razão, já pensaram que a montadora ia dar seus pulos e iria, finalmente, conseguir abocanhar um novo seguimento. No começo, a especulação foi com a picape média Dodge Dakota, que até foi vista nos arredores da fábrica de Betim. Mas a Fiat surpreendeu ao lançar, parecendo que meio as pressas, uma versão própria do crossover Journey, também da Dodge.


Mas ela não procurava um SUV ou uma picape? Para a Fiat não importou. Mesmo o site da Dodge dizendo (e usando como marketing) que o Journey é um crossover, para a italiana, segundo Quatro Rodas, será tratado como SUV. Para a marca, o público não conhece muito bem a distinção entre ambos. Que a vontade seja feita...
  
O Freemont é um carro que mostra exatamente o choque cultural entre suas duas mães, o mais novo grupo automotivo: Fiat-Chrysler. Sucesso de vendas na Europa, principalmente na Itália, ele surpreendeu à Fiat e à todos. Segundo a montadora, 80% dos que compram um Freemont têm nele seu primeiro modelo da marca. Mais uma vez, ele surpreende. O sucesso é tanto que a montadora já pediu para a Dodge aumentar a produção.

Tá certo, ninguém duvida do sucesso europeu do Freemont. Só que por lá, ele não convive com seu gêmeo, que deixou de ser vendido recentemente. O Brasil é o único país que terá ambos os modelos. Até que ponto isso pode atrapalhar o sucesso do "SUV"?

Segundo a marca, não é problema. O Freemont será a versão de entrada do Journey (só que de outra marca). Os preços do Fiat começam em R$ 81.900 e chegam em R$ 86.000; o Dodge deverá ganhar uma reestilização e um novo preço (ainda mais) perto dos R$ 100.000 até o fim do ano.





Mas e a essência italiana, foi embora com o Freemont? Realmente, o desenho externo não tem nada a ver com um Fiat. E as modificações (nova grade, novos para-choques, lanternas com LEDs) feitas não ajudam em nada. O Journey, digo, Freemont, continua sendo um típico americano, com linhas simples, retas, e no atual momento, velhas.


O mesmo não se pode dizer de seu interior. A própria Fiat se encarregou de reestilizá-lo dando seu toque italiano. As linhas retas e de acabamento simples do antigo desapareceram e deram lugar à linhas fluídas, arredondadas e de bons materiais, lembrando vagamente o "recém-lançado" Bravo. São nesses dois pontos que podemos ver o tal choque cultural.


Segundo a Fiat, o nome do carro "evoca o sentido de liberdade, do prazer da vida ao ar livre e da possibilidade de enfrentar qualquer situação da vida cotidiana com muita sofisticação". Profundo, né?


Lembra do papo de o Freemont ser tratado como SUV? Desse jeito, a Fiat destaca também que ele é o "único" da categoria com sete lugares, o que não aconteceria se ele fosse classificado como crossover/minivan.  A montadora diz que é possível fazer 30 configurações com os bancos, que são do tipo anfiteatro (uma fileira mais alta que a outra). Os bancos da segunda fileira podem aumentar a elevação do assento, facilitando para crianças.


O modelo sofreu alterações em sua suspensão, que foi recalibrada. O Freemont usa o sistema Keyless, ou seja, dispensa chave para funções como abrir a porta ou ligar o motor. Falando em motor, o carro usa um 2.4 DOHC 16V, com comando de válvulas variável (Dual VVT), a gasolina, com 172 cv. O câmbio é automático de quatro marchas com opção de mudanças sequenciais.




O SUV será vendido em duas versões: Emotion (custa R$ 81.900 -- com ABS, EBD, BAS, ESP, ASR, ERM, TSC, keyless entry/go, airbags frontais, climatizador com duas zonas de temperatura, sistema Uconnect™ de multimídia com tela de 4,3 polegadas sensível ao toque, que integra radio/CD/MP3, entrada USB, entrada auxiliar e conectividade Bluetooth® com comando de voz, central eletrônica de informações do veículo (EVIC), volante revestido em couro com regulagem de altura e profundidade mais comando de rádio, piloto automático e computador de bordo, rodas de liga leve com aro de 16 polegadas, faróis de neblina,  sensor de pressão dos pneus, alarme, entre outros) e Precision (custa R$ 86.000 e vem com terceira fila de bancos, o que proporciona sete lugares com muito conforto; ar-condicionado digital automático com três áreas de temperatura; sidebags e windowbags; sensor crepuscular e sensor traseiro de estacionamento; barras de teto longitudinais e transversais ajustáveis; assento do motorista com regulagens elétricas; retrovisores rebatíveis eletricamente; rodas de liga leve com aro de 17 polegadas, entre outros a mais).


Uma das grandes diferenciações do Journey para o Freemont é ampla rede de concessionárias (506). Além disso, o modelo conta com garantia de três anos sem limite de quilometragem e com as vantagens do Clube L'Unico.
Mas então, o Freemont será sucesso? Sinceramente, não sei. Não é como falar que o Novo Palio irá vender horrores e ter 95% de certeza, com esse carro é diferente. Acho que o principal objetivo do Freemont é mostrar aos brasileiros um outro lado da Fiat, mostrar que (mesmo não sendo ela que faz 100%) a montadora consegue produzir bons carros médios e caros, objetivo de todos os últimos carros da marca, e todos falharam. 


A Fiat precisa URGENTEMENTE fazer isso dar certo. O Linea ganhou um baita desconto e não vendeu como deveria, o Bravo é um modelo excelente, tinha tudo pra vender bem mais e não o fez -- você já percebeu que vai completar um ano e é difícil achar o modelo nas ruas?


Portanto, a grande pergunta que o Freemont deve responder é: será ele capaz de mudar a imagem da Fiat? Afinal, não é só de compactos e populares que se vive uma empresa. Nem mesmo no Brasil. 


______________________________________________________________________________________________________________________

Montadoras

FIAT (118) CHEVROLET (103) VOLKSWAGEN (92) FORD (63) HYUNDAI (60) KIA (47) NISSAN (47) RENAULT (47) GRUPO FIAT (44) TOYOTA (44) HONDA (41) DODGE (34) CHRYSLER (33) GM (33) PEUGEOT (29) FIAT-CHRYSLER (25) JAC (24) ALFA ROMEO (23) CITROËN (22) LAMBORGHINI (16) FERRARI (15) GRUPO CHRYSLER (14) JEEP (14) CHERY (13) HYUNDAI - KIA (12) PSA (12) MASERATI (11) GRUPO VW (10) RENAULT-NISSAN (10) MERCEDES-BENZ (9) AUDI (7) BMW (6) VOLVO (5) LIFAN (4) OPEL (4) ROSSIN-BERTIN (Vorax) (4) SUZUKI (4) ABARTH (3) MITSUBISHI (3) RAM (3) SAAB (3) ASTON MARTIN (2) BMW-i (2) CADILLAC (2) LANCIA (2) LAND ROVER (2) MG (2) PORSCHE (2) TATA (2) GEELY (1) LINCOLN (1) MAHINDRA (1) MAZDA (1) MINI (1) PAGANI (1) SMART (1)