24 de ago de 2009

Governo da Alemanha apoiará só uma: a MAGNA

O Governo alemão especificou que só apoiará com avais públicos a compra da Opel se a vencedora for a fabricante de autopeças austríaca-canadense Magna e que não respaldará a oferta apresentada pelos investidores belgas da RHJI.

"Um eventual apoio a RHJI não está em nossos planos", informou o porta-voz do Governo, Ulrich Wilhelm, em alusão à carta enviada pelo secretário de Estado de Economia, Jochen Homann, à direção da General Motors (GM).

Apesar de a postura alemã parecer inegociável nesta questão, Wilhelm insistiu em que o governo de Berlim confia na possibilidade de um acordo e ressaltou que este só poderá ser alcançado "em um clima construtivo e não de confronto".

A direção da GM adiou na sexta-feira passada uma decisão sobre o futuro de Opel, diante das duas ofertas de aquisição de sua marca europeia, a do fabricante de autopeças austríaca-canadense Magna, em cooperação com o grupo automobilístico russo GAZ e o banco Sberbank, e a do grupo investidor belga RHJI, pertencente ao americano Ripplewood.

Em uma entrevista à rede de televisão pública "ZDF", a chanceler Angela Merkel manifestou sua decepção pela indecisão da GM.

Merkel expressou, apesar de tudo, sua esperança que o problema se resolva em breve.

O comitê de empresa de Opel ameaçou empreender "ações" contra a General Motors (GM) se a decisão sobre o futuro da empresa não for tomada esta semana.

O presidente do comitê da empresa, Klaus Franz, afirmou hoje em declarações à emissora de rádio "Deutschlandfunk" que a paciência dos trabalhadores se esgotou e que ninguém pode aceitar que a General Motors não tenha tomado ainda uma decisão.

Wilhelm, por outro lado, diminuiu hoje a urgência do assunto e assinalou que a situação de Opel é estável e que a liquidez está garantida graças à injeção de 1,5 bilhões de euros dada pelo governo alemão no fim de maio.

O porta-voz afirmou que a próxima reunião formal da direção da General Motors não está prevista até os dia 8 ou 9 de setembro, pelo que não se deve esperar que a decisão seja feita antes.

Por outro lado, o porta-voz governamental disse que na Alemanha não há indícios que a GM possa ter outros planos que não sejam a venda de Opel, como insinuam vários meios de comunicação do país.

Uma das opções cogitada é que a GM mantenha a Opel e comande ela mesma sua reestruturação.

A Magna está disposta a pagar 350 milhões de euros e títulos conversíveis no valor de 150 milhões, pedindo 4,5 bilhões em avais.

Já a RHJI ofereceu entrar com um capital de 275 milhões de euros e pede garantias públicas que variam de 3 a 3,8 bilhões de euros.


Retirado de UOL Carros

Montadoras

FIAT (118) CHEVROLET (103) VOLKSWAGEN (92) FORD (63) HYUNDAI (60) KIA (47) NISSAN (47) RENAULT (47) GRUPO FIAT (44) TOYOTA (44) HONDA (41) DODGE (34) CHRYSLER (33) GM (33) PEUGEOT (29) FIAT-CHRYSLER (25) JAC (24) ALFA ROMEO (23) CITROËN (22) LAMBORGHINI (16) FERRARI (15) GRUPO CHRYSLER (14) JEEP (14) CHERY (13) HYUNDAI - KIA (12) PSA (12) MASERATI (11) GRUPO VW (10) RENAULT-NISSAN (10) MERCEDES-BENZ (9) AUDI (7) BMW (6) VOLVO (5) LIFAN (4) OPEL (4) ROSSIN-BERTIN (Vorax) (4) SUZUKI (4) ABARTH (3) MITSUBISHI (3) RAM (3) SAAB (3) ASTON MARTIN (2) BMW-i (2) CADILLAC (2) LANCIA (2) LAND ROVER (2) MG (2) PORSCHE (2) TATA (2) GEELY (1) LINCOLN (1) MAHINDRA (1) MAZDA (1) MINI (1) PAGANI (1) SMART (1)