27 de set de 2010

Nova Montana: mudança para ser sucesso igual ao Agile

Frente do Agile, com para-choque remodelado ficou muito bem na picape. Na verdade, ficou melhor do que no hatch
Há sete anos atrás, a Montana era um sucesso de crítica (tanto da imprenssa, quanto do público). Ela era bonita, grande e moderna para época, tinha uma suspensão cara e bem feita e era derivada do (antigo) sucesso Corsa.

Mas a primeira Montana teve erros que não deixaram ela ser sucesso em vendas, o principal era o fato de não ter uma opção de motor mais leve (como um 1.4) que o 1.8, além de uma visibilidade ruim. Assim, ela não conseguiu (como nenhuma picape) ultrapassar a Strada e chegar à liderança. Depois de SETE anos, como o Corsa, a Montana se cansou, cansou a imprensa e cansou o público (Parte da linha GM no Brasil também). Era hora de mudar, e se basear em um novo sucesso: o Agile.

A picape fez questão de sanar os antigos problemas. Ela estreia apenas com o motor 1.4 Econo.Flex (que é sucesso), e tem 97 cv de potência com gasolina a 102 cv com álcool. A GM diz que seu consumo médio é de 13,6 km/l (g) e 9,7 km/l (a). A picape vai de 0 a 100 km/h em 12 segundos e atinge a velocidade máxima de 170 km/h (a) e 168 km/h (g).

A visibilidade traseira, com uma caçamba muito alta, que atrapalhava, também foi resolvida, com uma caçamba um pouco mais baixa. Com 4,51 m de comprimento, 1,70 m de largura e 1,58 m de altura, a picape conta com uma caçamba de 1,63 m de comprimento e 1,32 m de largura, dez ganchos de amarração. Falando em caçamba, ela é a segunda maior do segmento com 1100 litros (atrás da Hoggar, que tem 1.151), a GM vai dizer que ela é a maior, com 1800, e isso realmente é verdade, mas há um protetor (de série) que limita essa capacidade, ficando atrás da concorrente. Ela leva 758 kg (contra 742, da Hoggar). O compartimento ainda conta com uma luz, que é acionada através do painel, e fica junto com o brake-light.

Quanto ao design, a picape ficou bonita, utilizando a frente do Agile, mas com para-choque remodelado, dando linhas mais robustas e que caiu muito bem na picape. Aliás, todo conjunto herdado do Agile, ficou muito bem na picape.

Linhas musculosas acabam no step-side
O step-side, na lateral, virou sucesso, e essa não poderia deixar de ter (já que toda concorrente nova tem). Na lateral, também foram colocados vincos que deixam a picape com uma aparência mais "musculosa". O modelo não conta com cabine estendida, apenas o conceito MaxiCab, com um espaço de 164l atrás dos bancos e porta-objetos, além de um vidro na lateral.

A traseira tem uma porta meio poluída, com o nome e o novo logo da montadora, nome do modelo e a opção do motor, além da placa com uma moldura que lembra as de carros de passeio. A tampa da caçamba não pode ser removida, nem abre em três estágios.


O interior é o mesmo do Agile, até nos revestimentos dos bancos. A posição de dirigir é elevada, mais ainda do que no hatch.

Na LS, o friso das saídas de ar é black piano, na Sport, prata
Interior é o mesmo do Agile, e traz 25 porta-objetos
Espaço atrás dos bancos, com porta-objetos
Vamos falar agora dos pacotes. A versão de entrada, LS, é mais voltada para o trabalho (sem saias laterais e espelhos pintados) e traz quatro configurações possíveis. A mais simples custa R$ 31.990, a seguinte R$ 34.435 e traz a mais direção hidráulica e computador de bordo.

Versão LS é mais simples e voltada ao trabalho
Novo logotipo: dourado com bordas cromadas

A terceira configuração custa R$ 37.653 e conta com rodas de aço 15 polegadas e ar-condicionado com display digital. A última LS sai por R$ 39.933 e ainda traz alarme, vidros e travas elétricas, freios ABS e duplo airbag.

Sport tem o mesmo (e velho) logo, usado desde o Astra
A Sport já é mais cara e mais completa, com barra de proteção no teto, frisos, maçanetas e retrovisores na cor do veículo, faróis com máscara negra, lanternas fumê, rodas de alumínio de 15 polegadas, sensor crepuscular, faróis de neblina, controlador de velocidade e CD player com função MP3, Bluetooth, entrada auxiliar USB e para iPod a mais de série, pelo preço de R$ 44.040. > 


 NO FINAL...
>> A Nova Montana, sem dúvida ficou melhor, mais moderna e bonita (coisa difícil de se ver na linha GM). Ela pode, com certeza, vender as 3500 unidades pedidas pela Chevrolet, e até brigar com VW Saveiro. Ainda falta para ameaçar a líder, é verdade, mas é um grande avanço dentro da própria montadora.

Fotos: Divulgação/Quatro Rodas/Interpress Motor



APROVEITE PARA VOTAR NA ENQUETE AO LADO: "A Nova Montana, baseada no Agile, será sucesso?" 

Montadoras

FIAT (118) CHEVROLET (103) VOLKSWAGEN (92) FORD (63) HYUNDAI (60) KIA (47) NISSAN (47) RENAULT (47) GRUPO FIAT (44) TOYOTA (44) HONDA (41) DODGE (34) CHRYSLER (33) GM (33) PEUGEOT (29) FIAT-CHRYSLER (25) JAC (24) ALFA ROMEO (23) CITROËN (22) LAMBORGHINI (16) FERRARI (15) GRUPO CHRYSLER (14) JEEP (14) CHERY (13) HYUNDAI - KIA (12) PSA (12) MASERATI (11) GRUPO VW (10) RENAULT-NISSAN (10) MERCEDES-BENZ (9) AUDI (7) BMW (6) VOLVO (5) LIFAN (4) OPEL (4) ROSSIN-BERTIN (Vorax) (4) SUZUKI (4) ABARTH (3) MITSUBISHI (3) RAM (3) SAAB (3) ASTON MARTIN (2) BMW-i (2) CADILLAC (2) LANCIA (2) LAND ROVER (2) MG (2) PORSCHE (2) TATA (2) GEELY (1) LINCOLN (1) MAHINDRA (1) MAZDA (1) MINI (1) PAGANI (1) SMART (1)