5 de nov de 2012

Como foi o Salão do Automóvel de São Paulo 2012


Se na última edição do Salão de São Paulo, os esportivos eram grandes atrações, em peso, não se pode dizer o mesmo da edição deste ano. Eles quase sumiram da mostra, com pouca "variedade" de modelos. Isso aconteceu, apesar do bom momento que o Brasil vive, por causa, claro, do super IPI. Você confere a partir de agora as Impressões do evento, com as novidades divididas em categoria, links para saber mais sobre os carros e Galeria de Fotos ao fim do post.

O tom do evento foi dado por carros compactos, vários lançamentos que condizem mais à realidade da maioria dos brasileiros e muitos conceitos. Isso não quer dizer que o Salão tenha perdido o seu brilho, pelo contrário, tivemos algumas estreias mundiais no evento brasileiro, o que mostra que o Brasil está sendo cada vez mais valorizado na indústria automobilística.

As quatro grandes

O maior destaque da Fiat, teoricamente, nem era Fiat. Além disso, a marca não soube "envolver" Ferrari e Maserati com suas atrações.

É claro que, assim como tivemos altos, também tivemos baixos. Um exemplo é o estande da Fiat, que estava bem apagado em relação às duas últimas edições. O misto de lançamentos, atualizações e conceitos que estamos acostumados a ver não aconteceu neste ano. Séries especiais dos principais modelos não foram suficientes para fazer a marca brilhar, o mesmo pode-se dizer do lançamento do 500C, que não terá tanta expressão quanto gostaríamos. O conceito com o Bravo também não chama tanta atenção como Mio conseguiu fazer em 2010. E nem mesmo Ferrari e Maserati foram bem utilizadas pela marca, já que os esportivos ficaram "escondidos" num espaço pouco privilegiado, aos fundos do estande. É, poderiam ter apresentado o Palio Híbrido.

Taigun, apesar de estar num estande sem-graça, mostra o nível de importância do Brasil para a marca, já que foi uma estreia mundial reservada para o Salão de São Paulo.

Outra montadora que estava "morna" era a Volkswagen. Pelo número de novidades e importância de conceitos apresentados (como a estreia mundial do Taigun e o up!), o estande poderia estar melhor, como foi em 2008. O Novo Fusca estava lá, mas estava no estande que pertence à Seat (que abandonou o mercado brasileiro e, desde então, a sua dona o utiliza), separado do restante da marca e num espaço muito mais animado. O outro estande, maior, era típico dos alemães: frio, clean e com o mínimo de emoção, nada "acontecia", parecia que os carros só estavam lá, espalhados e pronto.

Interior do Onix se revelou tão pobre em acabamento quanto alguns chineses. Mas o estande da Chevrolet estava cheio de atrações.

Totalmente oposta a Volkswagen, estava a Chevrolet, alegre como na última edição. Apesar da grande quantidade de barulho (cada modelo tinha um microfone para "animar a plateia" de seu modelo e fazer uma mini-apresentação do mesmo), o número de atrações compensou o incômodo. A marca se preocupou até em dar vida aos esquecidos Celta e Prisma, com os conceitos Effect. O que me impressionou (de forma negativa) foi a má qualidade de acabamento interno do Onix, foi uma grande decepção mesmo, principalmente se levarmos em consideração o belo desenho das peças.

Apresentação mundial do New Fiesta Sedan reestilizado e que será fabricado aqui é destaque da Ford. O carro ficou um mini-Fusion e teve seu problema de traseira feia resolvido.

Outra marca que está de parabéns é a Ford. Primeiro porque a marca também reservou uma estreia mundial para o nosso Salão: o novo New Fiesta Sedan. Segundo, porque a montadora fez uma espécia de "caça ao tesouro": com os Blue Cards, você precisava curtir atrações num percurso com 13 delas (como os novos Fusion, EcoSport e Ranger, ou conceitos, como Evos e Mustang, ou ainda pilares da marca, como Design e Segurança) e participar de um vídeo com a Deborah Secco para ganhar brindes. Foi uma maneira muito bacana de mostrar as suas atrações, que não eram poucas, e se prevenir das marcas que vêm aí embaixo.

Mostrar que o HB20 é fabricado no Brasil
foi uma preocupação da marca.

Candidatas ao "pódio"


Uma das marcas que mais estão interessadas em crescer no Brasil é a Hyundai. Ela quer abocanhar o lugar da Ford, principalmente, com a chegada do HB20. E ela merece (pelo menos a parte não-Caoa dela). O HB20, como era de se esperar, foi a grande atração da marca, num estande marcado pelo design que só a Hyundai tem. A curiosidade era grande e acho que o modelo de entrada atendeu as expectativas, incluindo sua versão Cross. Novos i30 e Santa Fe também chamaram atenção, mais uma vez, pelo design. Com esse Salão, a marca consolida-se como uma das mais bem-preparadas e bem-munidas para entrar no cobiçado grupo das quatro grandes.

Outra que está na busca pela ascensão é a Renault. O estande da francesa estava voltado para a sustentabilidade, com a apresentação dos modelos elétricos Twizy e Fluence ZE (Zero Emission). Porém, novidade mesmo, apenas o feio Novo Clio, que mostra como a direção escolhida pela marca de apostar em modelos menos refinados, baseando-se na gama da Dacia, está dando certo, mas que é uma pena. Por isso, digo: a Renault não merece ocupar um lugar no grupo das quatro grandes.

Para compensar em falta de novidades, conceitos como o Captur fizeram a diferença na Renault. Só esqueceram de avisar que ele irá antecipar as linhas dos modelos europeus da marca, não dos nossos, que são baseados nos da Dacia.

Na apresentação da fábrica do Etios, em Piracicaba, o presidente da Toyota Brasil disse que o modelo seria o responsável por levar a qualidade da marca a um número maior de pessoas. Bom, com a chegada do Salão, eu confirmei uma coisa que já estava na minha cabeça: o Etios não tem a qualidade Toyota. Seja no acabamento pobre, no desenho inferior ou no design horrendo, me recuso a dizer que aquilo é um Toyota. Vamos ver se a mecânica se salva. A marca também roubou a atenção do público por conta de seus conceitos (como o NS4) e o esportivo 86 que, merecidamente, deixaram as pessoas babando. Enquanto, no mesmo estande, o Etios amedrontava com sua feiura.

Boa receptividade mostra que a Toyota realmente precisa apostar em design, justamente o oposto do que foi feito com sua principal aposta: o Etios.

As outras japonesas e francesas


A grande aposta da Honda foi sua marca-filha, a Acura, fazendo uma espécie de introdução ao público da marca que chegará em 2015 para concorrer com a Lexus. Novidades da própria marca mesmo, contam o Fit Twist (nome horrível para a versão aventureira do carro) e Civic com motor 2.0 e versão Si, que você pode ver com mais detalhes neste post. O conceito NSX, da Acura, foi o que mais chamou atenção. Subaru e Lexus também apresentaram suas gamas, com atualizações que chegam em breve ao mercado brasileiro.

Conceito, Acura NSX foi o destaque da Honda. Ou quase isso.

Outra japonesa que estava presente era a Nissan que, assim como sua parceira Renault, mostrou a preocupação com sustentabilidade através do Leaf, em sua versão de táxi elétrico, que rodas nas ruas de São Paulo em testes. O sedã grande Altima também dá o indício de que a Nissan quer continuar crescendo no Brasil, por pouco não estando na categoria de cima. O conceito Xtreme, projeto brasileiro em parceria com a Nissan dos EUA, merece destaque, já que foi apresentado pela primeira vez mundialmente aqui no Brasil.

Xtreme, da Nissan, é um conceito que foi apresentado e desenvolvido por aqui.

Interior bem-acabado é a arma do 208, sucessor do 207.
Já no campo da outras francesas, mais precisamente da PSA, as novidades foram um pouco maiores. A Citroen mostrou a sua incrível linha DS em peso (com todos os integrantes, já que os restantes chegam ano que vem, enquanto o DS3 já está no Brasil), cheia de luxo e requinte que impressionava quem via, além do conceito Survolt e do Novo C3. Enquanto isso, na sua irmã Peugeot, as atenções estavam voltadas para o 208 e seu interior igualmente incrível para o seguimento. É só a marca não fazer burrada na hora de posicioná-lo que tem tudo para ser sucesso.


Esportivos e Luxuosos


As marcas norte-americanas realmente foram bem na feira. Além de Ford e Chevrolet, o Grupo Chrysler acordou nesta edição e fez do seu estande um dos mais esperados. Isso tem nome, na verdade, dois nomes: Viper e Fiat. A nova controladora soube utilizar a nova geração do esportivo à favor de todas as marcas do grupo. O Viper foi um modelo importante, fazendo sucesso até na hora de vender souvenires da marca. Além disso, as atrações da SRT abocanharam boa atenção do público, como o Charger e a Grand Cherokee, além, do grandalhão Dodge Durango. As marcas foram ao estrelato.

Novo Viper é a grande atração dos esportivos.

A Volvo apresentou o V40 e chamou atenção com os seus carros de corrida, C30 Advanced (que também foi mostrado na sua versão elétrica) e V60 Racing. Jaguar e Land Rover se destacam por deixar seus carros, pelo menos a maioria, abertos ao público. Ao contrário do que a dona Porsche, por exemplo, faz, assim como a Aston Martin, o que pode ser frustante na hora de falar de esportivos.

Legal foi o que a Mercedes fez. Apesar de nem todos os seus modelos estarem abertos ao público, os que não estavam podiam ser vistos de perto, sem a tradicional "grade". O conceito sedã derivado do novo Classe A, o Style Coupe, chamou atenção por suas linhas musculosas. E nem precisa dizer nada do SLS edição Anniversary, certo? Outra que fez um esquema parecido foi a Audi, que liberou a entrada até no R8 Spyder. Aí sim.

Style Coupe será o futuro sedã do Classe A, e foi uma das grandes atrações da Mercedes-Benz.

Cerato e seu belo design.
A Kia pode não ser uma marca de luxo, mas sua principal atração no Salão, o Quoris, era. E pode apostar: ele chamou bastante atenção. Outro foi o Novo Cerato que, assim como em outras marcas, mostram a aposta da Kia no Brasil. Provavelmente, a coreana usará a fábrica da Hyundai para montar a nova geração por aqui no ano que vem e conseguir preço justo para esse modelo, que vai vender como água, já que a Kia, talvez, seja a única que possa fazer frente ao poder de design que a Hyundai tem.



Mais Salão



Quer saber mais sobre o que marcou o Salão do Automóvel? Então, confira estes posts:

As novidades do primeiro dia do Salão de São Paulo
Onix é mais competitivo que HB20 e sem comparação com Etios
As novidades do segundo dia
Fiat: 500 Cabrio e muita série especial, além de Ferrari e Maserati
As japonesas Honda e Toyota apostando em esportivos


Galeria de Fotos


Já está disponível uma Galeria de Fotos do Salão do Automóvel, é só ir até a barra lateral e conferir as atrações! Se preferir, circule a página do FVC no Google+ (aqui) e veja as fotos (aqui).

Para fechar o post com chave de ouro. (Charger SRT8)


Montadoras

FIAT (118) CHEVROLET (103) VOLKSWAGEN (92) FORD (63) HYUNDAI (60) KIA (47) NISSAN (47) RENAULT (47) GRUPO FIAT (44) TOYOTA (44) HONDA (41) DODGE (34) CHRYSLER (33) GM (33) PEUGEOT (29) FIAT-CHRYSLER (25) JAC (24) ALFA ROMEO (23) CITROËN (22) LAMBORGHINI (16) FERRARI (15) GRUPO CHRYSLER (14) JEEP (14) CHERY (13) HYUNDAI - KIA (12) PSA (12) MASERATI (11) GRUPO VW (10) RENAULT-NISSAN (10) MERCEDES-BENZ (9) AUDI (7) BMW (6) VOLVO (5) LIFAN (4) OPEL (4) ROSSIN-BERTIN (Vorax) (4) SUZUKI (4) ABARTH (3) MITSUBISHI (3) RAM (3) SAAB (3) ASTON MARTIN (2) BMW-i (2) CADILLAC (2) LANCIA (2) LAND ROVER (2) MG (2) PORSCHE (2) TATA (2) GEELY (1) LINCOLN (1) MAHINDRA (1) MAZDA (1) MINI (1) PAGANI (1) SMART (1)