11 de dez de 2012

Toyota começa a vender Prius para empresas de táxi e diz que, se for preciso, pode torná-lo flex // Roda Verde

Para participar do programa, a empresa de táxi precisa comprar um pacote de cinco modelos: dois deles são o Prius (pelo preço normal de R$ 120 mil), dois outros são flex (como o Etios ou Corolla) e mais um acessível à deficientes físicos. (Toyota/Divulgação) 

Os 20 primeiros Prii (o plural oficial para Prius) do Brasil serão de empresas de táxi, numa continuação daquele mesmo programa da Prefeitura da Cidade de São Paulo em que o Nissan Leaf protagonizou na primeira fase. A Toyota, porém, já anunciou que o modelo híbrido mais famoso e vendido do mundo será comercializado ao público no ano que vem, com preço salgado: cerca de R$ 120 mil, e é justamente por isso que ela está participando deste programa.

Com ele, a esperança é de que o híbrido possa ganhar incentivos fiscais a nível federal e fique mais acessível. Essa não é a primeira atitude que a Toyota toma para chegar à este objetivo, já que ela ofereceu o Prius à celebridades, neste ano, para provocarem um certo barulho. E esta também não será a última: segundo Roberto Braun (gerente de assuntos governamentais da Toyota), em entrevista ao UOL Carros, se for preciso tornar o modelo flex, ela irá fazer o possível para tal:

"Se o governo [federal] quiser que façamos um carro híbrido com motor flexível, já que ele quer incentivar a venda do etanol produzido aqui, podemos estudar esta hipótese".

A marca também sabe que, com as condições atuais, o Prius deve vender pouco: a meta é de 1000 unidades anuais, uma média de pouco menos de 85 carros por mês. Isso acontece porque o Prius não é um modelo de luxo, pelo contrário, e nem todo mundo abrirá mão de um carro superior como o Ford Fusion (que custa a partir de R$ 112.900), por exemplo, por um carro popular só por que ele vem com tecnologia híbrida. Ainda assim, Braun diz que não descarta a produção nacional:

"Tudo depende da demanda. Se a procura pelo Prius crescer, não podemos descartar essa opção [de fabricá-lo aqui]".

Em 2013, a Toyota promete mais 96 unidades para o programa, totalizando 116. (UOL Carros)

Vale lembrar que o governo já divulgou o Inovar-Auto, o novo regime automotivo brasileiro, com foco na economia de combustível e emissão de poluentes, o que no Prius, é cerca da metade de carros comuns. Porém, o modelo virá do Japão, tornando essas vantagens do regime, talvez, insuficientes para a marca, e explica o desejo da mesma de contar com incentivos fiscais para híbridos e elétricos.

Quanto a questão de torná-lo flex, é uma boa jogada da japonesa, já que o governo brasileiro realmente gosta de valorizar o etanol, e o Prius utiliza um motor 1.8 a gasolina de 99 cavalos, em conjunto com uma bateria que pode render até 36 cv extras, totalizando 135 cv (completa o powertrain, um câmbio CVT). Com isso, ela mostra que está disposta a entrar em um possível jogo do governo, que está deixando o país atrasado na questão de carros verdes.


[UOL Carros & MotorDream]


Montadoras

FIAT (118) CHEVROLET (103) VOLKSWAGEN (92) FORD (63) HYUNDAI (60) KIA (47) NISSAN (47) RENAULT (47) GRUPO FIAT (44) TOYOTA (44) HONDA (41) DODGE (34) CHRYSLER (33) GM (33) PEUGEOT (29) FIAT-CHRYSLER (25) JAC (24) ALFA ROMEO (23) CITROËN (22) LAMBORGHINI (16) FERRARI (15) GRUPO CHRYSLER (14) JEEP (14) CHERY (13) HYUNDAI - KIA (12) PSA (12) MASERATI (11) GRUPO VW (10) RENAULT-NISSAN (10) MERCEDES-BENZ (9) AUDI (7) BMW (6) VOLVO (5) LIFAN (4) OPEL (4) ROSSIN-BERTIN (Vorax) (4) SUZUKI (4) ABARTH (3) MITSUBISHI (3) RAM (3) SAAB (3) ASTON MARTIN (2) BMW-i (2) CADILLAC (2) LANCIA (2) LAND ROVER (2) MG (2) PORSCHE (2) TATA (2) GEELY (1) LINCOLN (1) MAHINDRA (1) MAZDA (1) MINI (1) PAGANI (1) SMART (1)